Praga: Castelo de Praga

E seguimos com os posts sobre Praga!

O foco, dessa vez, é o Castelo de Praga.

Castelo de Praga

O castelo domina a paisagem desde as margens do rio Vltava. Enorme, imponente, belamente iluminado – admirá-lo de longe já é agradável!

Castelo de Praga no fim da tarde

Castelo de Praga no fim da tarde

Na realidade, o que hoje é chamado de Castelo de Praga está mais para um complexo, ou uma cidadezinha à parte.

Dentro dos seus muros há o Palácio Real, bem como a Catedral de São Vito (aquelas torres que se sobressaem na silhueta do castelo são da igreja), a Torre de Pólvora, o convento de São Jorge, um belo jardim, uma vila residencial onde outrora morou o escritor Franz Kafka, entre outras coisas.

Você compra o seu ingresso de acordo com quais atrações você deseja visitar. O circuito mais completo inclui a Catedral de São Vito, o antigo palácio real, uma exibição sobre a história do Castelo, a basílica de São Jorge, a Viela Dourada, a Torre de Pólvora e o Palácio Rosenberg.

Eu fiz o circuito mais curto, incluindo apenas a Catedral de São Vito, o antigo palácio real, a Viela Dourada e a pequena basílica de São Jorge. Mais detalhes podem ser encontrados no site oficial.

A Catedral de São Vito começou a ser construída em 1344 e só foi finalizada em 1929.

Catedral de São Vito

Catedral de São Vito

A Catedral é grande e imponente. Construída em estilo gótico, é de uma riqueza artística e arquitetônica impressionantes.

Catedral de São Vito por dentro

Catedral de São Vito por dentro

O palácio foi a residência dos governantes da Boêmia por muitos séculos.

Interior do palácio de Praga

Interior do palácio

Seu interior me lembrou um pouco as residências dos elfos de O Senhor dos Anéis!

A Viela Dourada é uma ruazinha com diversas casas geminadas, todas muito pequenas e iguais. Originalmente construída para abrigar os funcionários do castelo, o nome atual remota a uma época em que diversos alquimistas ali moravam e buscavam a fórmula que transformaria metais em ouro.

Um de seus moradores mais ilustres foi o escritor Franz Kafka, que morou por alguns anos na casa número 22.

Hoje não há mais moradores no local, e as casinhas foram transformadas em lojinhas de produtos típicos da cidade: doces, sabonetes, bonecos de madeira, joias…

Viela Dourada

Viela Dourada – a foto não faz jus à ruela fofinha!

Me faltam fotos do jardim do palácio, que também vale a visita.

Lá dentro há restaurantes, lanchonetes e muitas lojinhas, de modo que é possível passar muitas horas por lá. Mas reserve no mínimo umas três horas para o passeio.

Aproveite para ver a cidade do alto também – como o castelo fica em cima de uma pequena montanha, a vista é interessante de lá!

Para chegar até o castelo você pode pegar o bonde urbano, assim não gastará energia subindo a pesada ladeira.

De volta à cidade, aprecie o castelo sem moderação!

Ele é lindo durante o dia, à noite, ao entardecer… é sempre um agrado aos olhos no horizonte da cidade.

Castelo de praga à noite

Castelo de praga à noite

Silhueta do castelo e da ponte Carlos  ao entardecer

Silhueta do castelo e da ponte Carlos ao entardecer

Uma vez na cidade, não deixe de visitar e apreciar essa maravilha tcheca!

Beijinhos,

Madame Brum

Não perca nenhuma novidade do blog!
Preencha seu nome e e-mail abaixo e receba as novas postagens diretamente em seu correio eletrônico.

Praga: ponte Carlos

Olá, Madames e Monsieurs!!

No post anterior eu falei sobre a Praça do Relógio astronômico de Praga.

Agora é a vez de contar um pouco sobre a Ponte Carlos!

Ponte vista à noite da margem do rio

Ponte vista à noite da margem do rio

Karlův most – Ponte Carlos

A Ponte Carlos é a mais famosa das pontes que conectam os dois lados da cidade sobre o rio Moldava.

Foi construída em pedra em 1357 e está lá, firme e forte, até hoje!

A ponte é muito bonita, e conta com um belo portão em cada um dos lados. Ao longo dela estão dispostas várias estátuas, que foram acrescentadas anos depois da construção da ponte.

Portão da ponte São Carlos

Portão da ponte São Carlos

Há uma estátua, no entanto, com uma lenda peculiar: a estátua de São João Nepomuceno. Este homem teria sido um confessor da rainha Joana de Baviera, ouvindo seus segredos e aconselhando-a. Em determinado momento, no entanto, o rei teria exigido que João Nepomuceno quebrasse o sigilo sobre as confissões da rainha. Diante de sua negativa, ele teria sido torturado, morto e jogado de cima da ponte.

Algumas lendas dizem que foi possível avistar a alma sair do corpo do homem após ser jogado, enquanto outras afirmam que cinco estrelas cercavam o corpo que boiava no rio, indicando que o assassinato teria sido obra do rei.

As histórias são meio loucas, mas acredita-se que tocar na estátua de São João Nepomuceno pode trazer sorte, e que aqueles que nela encostam sempre voltam à cidade.

Cidade velha vista da ponte São Carlos

Cidade velha vista da ponte São Carlos

Além das lendas (um pouco macabras) que cercam a ponte, há outros motivos para visitá-la. Além de linda por si só, a ponte permite uma bela vista do Castelo de Praga. Além disso, ela está sempre cheia de artistas de rua e vendedores (autorizados).

No verão os artistas ficam no local até mais tarde, garantindo um fim de tarde muito agradável ouvindo os músicos locais!

Ponte São Carlos

Vista da Ponte São Carlos

Dizem que os concertos dentro das igrejas da cidade são maravilhosos, mas as músicas ao vivo em diversos locais abertos estavam estupendas, e não achamos nenhuma boa justificativa para ouvir um concerto pago dentro das igrejas com tantos outros concertos acontecendo acontecendo gratuitamente sob o sol ou as estrelas!

Detalhe da entrada da ponte

Detalhe da entrada da ponte

A praça e a ponte são dois programas gratuitos, lindos, e que merecem ser vistos e vividos durante o dia e durante a noite!

Sem dúvida, imperdíveis.

Beijinhos,

Madame Brum

Não perca nenhuma novidade do blog!
Preencha seu nome e e-mail abaixo e receba as novas postagens diretamente em seu correio eletrônico.

Praga: praça do relógio astronômico

Olá, Madames e Monsieurs!!

No post anterior eu expliquei algumas coisinhas que você deve saber para preparar sua viagem para Praga.

Agora vamos ao que interessa: o que fazer na cidade!

A primeira coisa que eu devo avisar é: estive em Praga por três dias, durante um final de semana de verão.

Não sei como é a cidade no resto do ano, mas no período que estive lá a cidade transbordava vida, alegria e juventude! Festivais ocupavam toda a cidade, jovens mochileiros dividiam cervejas e doritos sentados no chão da praça, feiras de artesanato pipocavam e os bares estavam sempre cheios.

A felicidade geral era contagiante!

Praça do relógio astronômico (Orloj)

O centro velho da cidade, ou “cidade velha”, é a região ao redor da praça do relógio.

Pessoal sentado na praça no fim da tarde, ouvindo os músicos locais e batendo papo.

Pessoal sentado na praça no fim da tarde, ouvindo os músicos locais e batendo papo.

A praça leva esse nome devido ao relógio astronômico que adorna a torre da antiga prefeitura. Dizem que foi construído em 1410, e a lenda local conta que o relojoeiro responsável pela sua construção teria sido posteriormente cegado para nunca mais conseguir produzir um relógio tão belo quanto aquele.

Relógio astronômico em Praga. Neste dia, um casal de noivos fazia suas fotos sob o relógio!

Relógio astronômico em Praga. Neste dia, um casal de noivos fazia suas fotos sob o relógio!

De hora em hora há uma pequena apresentação de bonecos na torre do relógio. Todos os guias sobre a cidade vão citar esse “evento”, mas eu já adianto: não perca seu tempo. Não tem a menor graça!! Se estiver no local em alguma hora redonda, você verá o showzinho dos bonecos, mas eu aconselho prestar mais atenção em outra coisa, mais interessante (na minha opinião):

Uma grande massa de turistas que se acumula ao redor do relógio, esperando a apresentação de bonecos. Assim que ela começa, centenas de celulares se erguem instantaneamente para filmar. Ao fim da apresentação, alguns batem tímidas palmas, outros se entreolham com uma cara confusa e incrédula, do tipo “é isso mesmo?” e outros reclamam com os que estão do lado sobre a grande decepção que é essa pequena procissão de bonecos que saem do relógio apenas para voltar para dentro novamente.

Não me entendam mal: o negócio não seria tão ruim se não fossem as altas expectativas que os guias costumam criar nos viajantes. Classificar isso como “imperdível” é desperdício de adjetivo!

De volta à praça: ela é cercada por prédios de diversos estilos arquitetônicos, tão lindos que parecem casas de bonecas, além de diversos restaurantes, cafés e lojas de cristais. No centro da praça estava ocorrendo um festival de música, com diversos cantores e grupos se apresentando ao longo dos três dias que estivemos por lá!

Praça à noite. Repare na Igreja que tem seu acesso fechado pelos prédios da praça - é preciso passar por dentro deles para chegar à Igreja!

Praça à noite. Repare na Igreja que tem seu acesso fechado pelos prédios da praça – é preciso passar por dentro deles para chegar à Igreja!

Ao fim da tarde grupos de jovens se sentavam em círculos no meio da praça para dividir uma cerveja, refrigerante ou um salgadinho qualquer enquanto batiam papo.

Alguns artistas de rua também se apresentavam por ali, seja fazendo pinturas ou bolhas de sabão.

Sem dúvida, um lugar cheio de vida que merece a atenção do turista!

Beijinhos,

Madame Brum

Não perca nenhuma novidade do blog!
Preencha seu nome e e-mail abaixo e receba as novas postagens diretamente em seu correio eletrônico.