Alemanha no Verão: Rota Romântica (parte 1: Würzburg e Rothenburg ODT)

Olá, Madames!

Depois de explicar sobre os preparativos da viagem, vamos à viagem em si!!

Saindo de Paris, pegamos um trem para Frankfurt. Devo dizer que viajar de trem pela Europa é agradável e prático, então não tivemos problema algum.

Na estação de trem de Frankfurt (Frankfurt HBF ou Frankfurt Hauptbanhof) nos dirigimos ao balcão da Sixt, empresa na qual havíamos reservado o carro que nos levaria pela estrada romântica.

***Abre parênteses para falar sobre o aluguel do carro***

Uma boa dica para aluguéis de carro é prestar atenção nos benefícios oferecidos pelo seu cartão de crédito. Cartões Visa e Mastercard oferecem seguro de danos materiais para o carro quando você aluga pagando com os respectivos cartões. Entranto nos sites de cada cartão você poderá ver as regras e coberturas, mas em geral é necessário pagar a reserva com o cartão e rejeitar o seguro oferecido pela locadora – se você contratar o seguro da locadora não terá direito ao do cartão.

Eu costumo usar o seguro de danos materiais oferecido pelo cartão (LDW ou CDW) e contratar mais o seguro de danos contra terceiros (LIS). Para mais informações sobre os tipos de seguro, sugiro ler esse post.

Outra dica importante: em todas as locadoras que eu já fui até hoje o atendente tentou me convencer de que o seguro do cartão não cobriria as minhas necessidades: em Las Vegas me disseram que o seguro era só subsidiário, e que só seria válido se também fosse contratado o seguro da locadora (mentira, se você fizer isso o seguro do cartão será perdido). Na Alemanha tentaram nos convencer que o seguro do cartão não cobriria o aluguel de mini SUV (mentira também, eles só não cobrem carros esportivos, tipo uma Ferrari ou coisa assim). Por isso é bom ler bem os termos do seguro do cartão para não cair na ladainha das locadoras.

***Fecha parênteses***

Com os papéis do aluguel do carro e com a chave na mão, saímos da estação até uma rua comercial imediatamente em frente para comprarmos um chip de dados para o nosso celular. Como disse no post anterior, contamos com o google maps nessa viagem, ao invés de utilizar o GPS embutido no carro.

Meu plano era ir até uma loja da O2 logo na frente da estação, comprar um chip de dados e voltar, mas o atendente me informou que eles estavam se chips pré-pagos!!! Felizmente, ele nos apontou um cyber café imediatamente na frente da loja onde eu poderia encontrar diversos chips de várias operadoras. O próprio atendente do cyber café sugeriu que eu levasse o chip de 3 gigas da Lebara, que, segundo ele, tinha o melhor preço (realmente, era bem mais barato do que o chip que eu havia planejado comprar).

Com o chip de dados funcionando, pegamos o carro, definimos nosso primeiro destino no GPS e partimos para Würzburg!!

Não, não passeamos nem um pouquinho em Frankfurt – estávamos ansiosos pela Rota Romântica!

Würzburg

Chegamos na cidade no meio da tarde, fizemos o checkin no hotel e fomos passear.

O hotel escolhido foi o B&B hotel. Trata-se de uma rede low cost da Alemanha, onde tivemos estacionamento gratuito, quartos limpos e cama confortável por um preço razoável. Os quartos não eram grandes, mas não faltou espaço, e o café da manhã foi pago à parte. A rede é um pouco parecida com a Ibis, que tem no mundo todo: não propõe nenhum luxo, mas lhe garante todo o necessário: limpeza, conforto, estacionamento e wi-fi.

O único contra do hotel é que ele não ficava perto do centro histórico. Assim, não foi possível ir andando para a parte mais interessante da cidade: tivemos que pegar o carro e quebrar a cabeça com as regras de estacionamento da cidade (para mais informações sobre o estacionamento, veja o post anterior).

Würzburg foi destruída durante a 2a Guerra Mundial, e lentamente reconstruída depois.

A catedral da cidade, Dom St. Kilian, é a 4° maior igreja românica da Alemanha. Foi construída em 1045, e suas torres foram adicionadas quase 200 anos depois. Em 1945 a Catedral foi totalmente queimada e a sua restauração só terminou em 1967.

Bürgerspital é uma instituição de caridade fundada em 1319 e voltada para o atendimento de doentes e idosos. Para gerar renda, a instituição possui um vinícola e produz vinhos para venda e degustação.

Juliusspital, fundada em 1576, é uma das maiores instituições da caridade do país, e também produz vinhos que estão à venda na cidade.

No alto da cidade é possível ver a fortaleza de Marienberg, cercada por vastos vinhedos.  Em 707 foi erguida no local uma igreja e, em 1201 um palácio foi construído. Este palácio serviu de residência para os príncipes-bispos da cidade de 1253 até 1719, quando os bispos resolveram construir a uma nova morada no centro da cidade (Residenz). A visita à fortaleza é interessante. Lá em cima você poderá ter uma vista legal da cidade e conferir os museus instalados na antiga fortificação.

Passeio entre os muros da fortaleza.

Passeio entre os muros da fortaleza.

Vale a pena passar um tempinho fingindo que o tempo parou entre os muros de Marienberg!

Depois de saírem de Marienberg, os príncipes-bispos de Würzburg se mudaram para Residenz, um palácio construído em 1744. Seus jardins são muito bonitos, e seu interior conta a história da destruição e da resconstrução do prédio após a 2a Guerra Mundial. Não cheguei a entrar pois já chegamos após seu horário de fechamento, mas os jardins são bastante agradáveis.

Os jardins de Residenz

Os jardins de Residenz

A melhor atração da cidade, no entanto, é a ponte Alte Mainbrücke. Não pela ponte em si, mas pela vida que se desenvolve por ali no final da tarde e à noite.

São músicos de rua, artistas e locais que se reúnem na ponte para tomar uma cerveja ou um vinho por ali.

Ponte Alte Mainbrücke

Ponte Alte Mainbrücke

Achei muito agradável gastar algumas horas pelo centrinho histórico, apreciando o clima festivo que surgia ao redor da ponte.

Paramos para comer no restaurante Alte Mainmühle, no pé da ponte, onde ficamos observando o pôr do sol (se quiser comer por lá é conveniente fazer reserva).

Vista do restaurante Alte Mainmühle.

Vista do restaurante Alte Mainmühle.

Foi nesse restaurante que eu fui apresentada, pela primeira vez, às “modestas” porções de comida da Baviera:

"Uma porção de salsichas, por favor"

“Uma porção de salsichas, por favor”

Rothenburg Ob Der Tauber

No dia seguinte saímos de manhã rumo a Rothenburg ob der Tauber.

O plano inicial era para em algumas cidadezinhas no caminho, como Bad Mergentheim, Röttingen e Creglingen, mas eu estava ansiosa para conhecer Rothenburg ODT e decidimos ir direto pra lá e curtir a cidade com calma.

Honestamente, não me arrependo – que cidade mais linda! Parece até de brinquedo!!

O nome da cidade remete a Rote Burg (fortaleza vermelha) ob der Tauber (acima do rio Tauber).

Uma lenda ronda a cidade: a cidade, protestante, teria sido cercada por tropas católicas, que planejavam destruí-la. O prefeito da cidade, no entanto, foi negociar com os inimigos, que propuseram uma aposta: se ele conseguisse beber, de uma só vez, 3,25 litros de vinho, a cidade seria poupada. Reza a lenda que o prefeito conseguiu tomar todo o vinho, salvando a cidade e se tornando um herói local!

Muralha que cerca o centro de Rotheburg

Muralha que cerca o centro de Rotheburg

Até hoje as pessoas bebem vinho “para salvar a cidade”, e o relógio do prédio do Conselho Regional faz referência ao “evento”.

A Marktplaz abriga a prefeitura e diversas lojinhas interessantes, cheias de relógios cuco, enfeites de Natal, sorvetes, artigos medievais, miniaturas fofas e coisinhas lindas.

Ali também ficam o museu do Natal e a loja de Natal, cheia de artigos natalinos o ano todo! Uma delícia passear lá dentro!

Ali perto também você encontrará a esquina mais famosa da cidade:

Rothenburg ODT

Rothenburg ODT

A cidade é cheia de cantinhos lindos, mesinhas na rua e ambientes agradáveis.

Rothenburg, sua linda!

Rothenburg, sua linda!

As lojinhas da cidade são uma atração à parte. O que você acha de uma loja só de artigos medievais (de espadas a roupas)??

loja de artigos medievais em Rothenburg

loja de artigos medievais em Rothenburg

Nós nos hospedamos em uma pousada antiga bem no centro da cidade, chamada Spitzweg. Basicamente uma casa de três andares, com quartos nos dois andares de cima, deixando o térreo para a recepção e um restaurante.

A pousada é administrada por um casal de velhinhos muito simpáticos. A senhora só falava alemão, mas o risonho senhor falava inglês e até arriscou falar um pouquinho de português (bem pouquinho, só pra agradar).

Falava alegremente sobre como o Brasil é maravilhoso e sobre as partes que já conhecia do país. Foi bastante atencioso também em indicar restaurantes para comermos e passeios para fazer. Recepção agradabilíssima!

O café da manhã, incluído na diária, foi mais uma amostra dos exageros alimentares alemães: um grande prato de pães, frios e frutas nos foi servido assim que chegamos no salão do café, isso sem contar o buffet e as bebidas disponíveis – era comida suficiente para quatro pessoas, talvez mais!

Almoçamos no restaurante desta pousada.

Pousada com restaurante agradável próximo à muralha.

Definitivamente uma cidade encantadora!

 

No próximo post falarei sobre Augsburg e as cidades e visitamos no caminho a partir de Rothenburg.

 

Beijinhos,

Madame Brum

Não perca nenhuma novidade do blog!
Preencha seu nome e e-mail abaixo e receba as novas postagens diretamente em seu correio eletrônico.

Deixe uma resposta