Necessaire: maquiagens essenciais para levar numa viagem

Olá, Madames!!

Em janeiro fiz uma viagem para Las Vegas e Los Angeles por 10 dias.

Como a Madame aqui não consegue ficar sem maquiagem por tanto tempo, a cada viagem é preciso montar uma necessaire para levar os itens básicos de maquiagem!

Vim mostrar pra vocês quais são os produtos essenciais quando estou viajando!

Itens essenciais maquiagem viagem necessaire básica

Meu kit básico inclui:

1 – Base em pó Shiseido Pureness: já vem com esponjinha e é fácil e rápido de aplicar, com um ótimo controle de oleosidade da pele.

2 – Blush: dessa vez estou levando a cor Peaches, da MAC (tom pêsseco, menos rosado do que eu costumo usar e mais versátil). Normalmente eu levo a cor Hervana, da Benefit, porque o estojinho da Benefit já vem com pincel, o  que é prático em viagens.

3 – Corretivo: sempre escolho um corretivo que possa se aplicado mesmo se eu não quiser usar base nenhuma, ou seja: tem que ser exatamente da cor da minha pele pra esconder as olheiras sem precisar fazer uma maquiagem completa! O escolhido foi o Airbrush Concealer da Clinique, cor “medium”.

4 – Rímel: o Voluminous False Fiver Lashes da l’Oreal entrou pra necessaire, mas poderia ser qualquer outro. O importante é ser fácil de retirar, pra não dar trabalho!

5 – Kit de sombras Naked Basics: não rola levar todas as paletas de sombras pra usar em 10 dias. A Naked Basics tem 6 cores opacas neutras, que me permitem fazer uma maquiagem levinha para o dia ou um pouco mais elaborada para o noite. Por ser uma paleta pequena, é ideal para viagens.

6 – Lápis de olho preto e marrom: pra completar uma maquiagem mais caprichada feita com a Naked, um lápis de olho preto ou marrom é indispensável. Eu gosto dos lápis 24/7 Glide-on da Urban Decay, nas cores Perversion (preto) e Demolition (marrom escuro), já que são lápis macios que permitem fazer um efeito esfumado ou de delineador.

7 – Lápis bege: pra iluminar a linha d’água eu sou fã do lápis bege. O escolhido foi o lápis de olho Madressilva da Phebo.

8 – Pó translúcido: eu não quero testa brilhando nas minhas fotos de férias, então um pó translúcido para assentar a maquiagem e evitar o brilho é muito bem vindo. Pra viagens eu carrego o pó compacto transparente HD da Make Up For Ever.

9 – Batom: indispensável, né? Até quem não carrega maquiagem nenhuma costuma ter um batom na bolsa. Escolhi a cor Faux, da MAC, que é um nude prático. Sempre é válido levar uma segunda cor, mais colorida, caso queira variar um pouco nas fotos.

10 – Pincéis: eu levo meu Travel Kit Mrs. Bunny da Sigma, que tem um potinho de couro ótimo para carregar os pincéis de forma protegida. O kit vem com 7 pincéis: um pequeno kabuki para pós, um pincel de blush, um de base, um chanfrado (bom para delinear), um de sombras com cerdas curtas (bom para esfumar o lápis de olho também), um de esfumar sombras e um pincel lápis. Eu retiro o pincel de base, já que não coloquei base líquida na necessaire (e bases líquidas podem ser facilmente aplicadas com os dedos) e adiciono um pincel de sombras comum da Sephora Collection, já que o do kit tem as cerdas muito curtas, e um segundo kabuki para aplicar o pó translúcido – o escolhido foi o angled kabuki da Sigma, que eu já mostrei nesse post sobre kabukis.

Além disso costumo carregar hidratante para mãos e para os lábios nessa necessaire, mas isso não é maquiagem, né?

Coloco também no kit um apontador de lápis de maquiagem, pra não ficar na mão quando precisar do lápis de olho.

Você levaria mais alguma coisa do seu “kit essencial”? Ou tiraria alguma coisa?

Conhecendo o Nordeste: Japaratinga-AL

Bom dia, Madames!

Hoje não vou falar de maquiagem, mas de outra paixão: viajar!

Nascer do sol em Japaratinga

Nascer do sol em Japaratinga

Semana passada passei uma semana no Nordeste para visitar suas famosas praias e esquecer da vida um pouquinho.

O roteiro incluiu três praias:

1) Costa dos Corais, em Japaratinga-AL

2) Muro Alto, em Porto de Galinhas-PE

3) Praia dos Carneiros, em Tamandaré-PE

itinerário nordeste

É engraçado como, quando morava no Rio de Janeiro, viajar para ir pra praia não fazia muito sentido, mas morando em Brasília parece uma ótima ideia ficar alguns dias à beira-mar.

Daí que surge o convite pra um casamento em Carneiros e a gente resolve juntar o agradável ao mais agradável ainda, e estender a viagem para passar alguns dias conhecendo as famosas águas mornas do Nordeste!

Dicas anotadas (valeu, Mari!) é hora de montar o roteiro! Farei um post por cidade para não ficar grande demais, ok?

Primeiro destino: Japaratinga

DSC02523

O primeiro destino foi Japaratinga. Chegamos pelo aeroporto de Recife e eu queria conhecer as Galés de Maragogi, piscinas naturais que se forma na maré baixa devido às costas de corais existentes na região.

Pra isso, eu chequei a tábua de marés para ver em quais dias a maré baixa estaria em um horário apto ao passeio.

A maré mais baixa acontece duas vezes ao dia, com intervalo de aproximadamente 13 horas. Se esse horário for muito cedo ou muito tarde, não há catamarãs partindo para as piscinas naturais.

São várias as regras de proteção ambiental, e mesmo sabendo que poderia encontrar pessoas dispostas a vender o passeio em períodos contra-indicados ambientalmente, eu não quero ter nenhuma participação na degradação de um lugar tão lindo!

Como conferir as marés antes de programar sua viagem:

Para ter certeza de que você conseguirá fazer o passeio, é preciso checar antes a tábua de marés. É só selecionar o porto mais próximo da praia escolhida (no caso da Maragogi e Japaratinga, o porto mais próximo é o Porto de Suape-PE) e o mês que pretende viajar.

No site de Maragogi já aparecem as marés do porto certo, é só checar as datas.

Há períodos do ano que a variação de marés é maior, com marés baixas mais baixas e marés altas mais altas. Também durante a lua cheia há mais variação. Quanto mais baixa a maré, mais interessante fica o passeio. Você só tem que olhar quais são os dois horários do dia que estão com a menor altura da maré e o horário em que isso ocorre.

O ideal é que seja após as 10 horas da manhã e antes das 15 horas, para que o passeio seja viável, já que ele dura umas duas horas.

Sol nascente em Japaratinga - vista da pousada.

Sol nascente em Japaratinga – vista da pousada.

É bom observar que, pelo menos nessa época que eu fui (novembro), o dia amanhece muito cedo, antes das 5 horas da manhã, mas o sol também se põe cedo, por volta das 17h30.

A pousada

http://www.vilacobe.com.br/

Escolhemos a pousada Vila Cobé, uma pousada pé na areia, com poucos quartos (apenas 8!) mas super charmosa.

Mas quando eu vi nas avaliações do tripadvisor que a pousada era “pé na areia”, não tinha noção do que ia encontrar! Na maré alta, a pousada é quase pé no mar!! Tem uma cerquinha de madeira no fim do jardim e, logo após, já começa a praia (ou o mar, na maré alta). Como ficamos no quarto mais próximo da praia, dava pra dormir com o barulhinho das ondas!

maré baixa em btitingui - japaratinga

Na maré alta o mar chegava bem próximo da entrada da pousada, mas na maré baixa era possível andar cer de um quilômetro mar adentro sem que a água chegasse nos joelhos. O mar recua muito e forma uma espécie de espelho d’água, como na foto acima!

Como eu disse, a pousada era bem pequena, e na segunda feira todos os outros hóspedes foram embora e só ficamos nós por lá.

japaratinga

De manhã, quando acordávamos, os funcionários montavam o café da manhã diretamente na nossa mesa e colocavam duas cadeiras e um guarda-sol na praia – tratamento exclusivo!

Destaque especial para a cozinha da pousada – o regime é de meia pensão, com café da manhã e jantar incluídos na diária. Para organizar o jantar, por volta das 18h um dos funcionários passava nos quartos (ou no quarto, no caso) perguntando qual prato do cardápio iríamos querer para o jantar, e a que horas gostaríamos de comer. Aí preparavam a comida com hora marcada pra você.

O cardápio? Lagostas, camarões, peixes… tem frutos “da terra” também, mas pra quem curte os frutos do mar, os pratos são deliciosos!

O prato de camarão com manga mereceu bis!

A pousada também dispõe de caiaques e bicicletas para uso dos hóspedes, além de uma piscininha (bem pequena, mas quem vai ficar na piscininha com o mar a cinco passos de distância?).

O que fazer na cidade

Recifes de corais em Japaratinga

Recifes de corais em Japaratinga

Japaratinga é uma cidadezinha a 10 minutos de distância de Maragogi-AL, com menos de 7 mil habitantes.

Não há muito o que fazer na cidade, exceto curtir as praias (lindas), comer bem e fazer o passeio até as piscinas naturais.

A princípio o plano era ir para Maragogi, mas depois de algumas pesquisas acabei gostando mais das pousadas de Japaratinga. No fim das contas nem fui a Maragogi para comparar as cidades, por isso não sei dizer se fiz a melhor escolha, mas posso garantir que, ao menos, fiz uma boa escolha.

Por dica da dona da pousada, fizemos o passeio até as piscinas naturais de Japaratinga, ao invés de ir até Maragogi. A movimentação de turistas na cidade é muito menor, e, segundo os locais, isso garante áreas mais preservadas do que na cidade vizinha.

Pegamos o catamarã no restaurante Mama Pereira, na praia de Japaratinga, e em uns 15 minutos estávamos próximo aos corais. Alugamos um snorkel para cada um e ficamos observando os peixinhos nadando entre os arrecifes. Com a maré baixa, a água fica na altura dos joelhos, mas conforme a maré vai subindo ela chega na altura do peito antes do catamarã voltar para a costa. O passeio dura cerca de duas horas.

Tão bonito quanto os peixinhos (que eu não tirei foto porque não tenho câmera à prova d’água) é ver as águas do mar aberto batendo contra as rochas de um lado e a tranquilidade das piscinas naturais do outro.

Só é preciso tomar cuidado com os ouriços: onde tem rochas, tem ouriços escondidos, e um chinelo é essencial para preservar os pézinhos! Já nos corais é proibido pisar, para não prejudicar o ecossistema local.

A cidade também oferta passeios de bugre, mas não há dunas por lá. Ou seja, passear de bugre é só andar de um lado por outro na praia. Preferimos fazer isso a pé mesmo.

Onde comer em Japaratinga:

Experimentamos três restaurantes em Japaratinga: o restaurante da pousada Vila Cobé, onde estávamos hospedados (delicioso!), o da Pousada Estalagem Caiuia, onde os pratos são assinados pelo restaurante Divina Gula, de Maceió, ambos na praia do Bitingui, na Costa dos Corais, e o Mama Pereira, na orla da praia de Japaratinga.

Lagosta Vila Cobé

Lagosta Vila Cobé

No Vila Cobé experimentamos os camarões à Vila Cobé (alho e óleo), os camarões ao molho de manga (imperdível), a lagosta e o lagostim com molho de queijos. Todos aprovados!

Pescado ao molho de laranja Estalagem Caiuia

Pescado ao molho de laranja Estalagem Caiuia

Na Estalagem Caiuia experimentamos um pescado ao molho de laranja e alcaparras, que acompanhava purê de banana. Eu nem sou tão fã de pescados, mas tive que dar o braço a torcer, porque estava saborosíssimo!

E no Mama Pereira (que foi também onde pegamos o catamarã para fazer o passeio às piscinas naturais) experimentamos o lagostim ao molho de coco, que eu esqueci de fotografar mas também estava muito bom.

Dos três, o Mama Pereira era o mais simples, mas nem por isso mais barato. A comida na cidade é um tanto cara, mas muito gostosa, principalmente para quem gosta de frutos do mar.

Primeira lição aprendida na viagem:

O sol do nordeste é maligno!! Como venta o dia todo você não sente calor, mas o sol vai torrando seus ombros, e se você não repassar o protetor solar com frequência, fica vermelho igual a um tomate logo no primeiro dia!

Essa observação é ainda mais importante para os passeios às piscinas naturais: você fica boiando no mar pra ver os peixinhos, a água tira todo o seu protetor solar e você volta com as costas ardidas.

A primeira lição aprendida foi: seque o corpo antes de passar o protetor solar e espere um pouco antes de pular no mar outra vez. E repasse o protetor tantas vezes quantas você mergulhar, ou vai arder muito à noite!

Segunda lição aprendida:

Hidratante te salva quando você não passa protetor o suficiente.

cetaphil hidratante

Gastei meio pote de Cetaphil, mas pelo menos chegamos ao final da viagem sem parecer uma cobra trocando de pele.

Acho que esse hidratante já é conhecido de muita gente, mas um blog de cosméticos não pode deixar de comentar o produto, né?

Cetaphil é um hidratante super potente e sem perfumes, ótimo para pessoas alérgicas ou peles sensíveis! Foi indicado pela minha dermatologista quando tive uma alergia de pele e não conseguia usar mais nada. Por ser bem forte é um pouco melado, mas super eficiente!

Alguém mais conhece a cidade e tem dicas pra compartilhar? Ou visitou Maragogi para fazer a comparação?

Se você também ama viajar, aguarde os próximos posts sobre o Nordeste!

Beijinhos,

Madame Brum